Discurso Tulinabo Mushingi, PhD Embaixador dos EUA em Angola e São Tomé e Príncipe

16 de Novembro de 2023

Excelências, Ministra do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação Bragança e Ministro do Comércio e Indústria de Oliviera, empresas americanas, empresários, estudantes, comunidade de ex-alunos e visitantes: Bom dia! Bem-vindos à primeira feira dos EUA! É um grande prazer estar com vocês quando celebramos a nossa amizade cada vez mais crescente.

Dou também as boas-vindas aos membros dos meios de comunicação social porque uma imprensa livre e aberta é uma componente crucial de uma democracia madura e próspera.

Além de celebrar a amizade entre os nossos povos, celebramos também a Semana Internacional da Educação e a Semana Global do Empreendedorismo.

Este ano, celebramos três décadas de relações diplomáticas entre os Estados Unidos da América e Angola.

Senhoras e Senhores, a parceria entre os EUA e Angola cresceu dramaticamente ao longo destas três décadas, reflectindo o reconhecimento dos nossos líderes de que, juntos, podemos proporcionar resultados positivos para o nosso povo.

A Embaixada dos EUA é uma equipa de Americanos e Angolanos que trabalham juntos todos os dias para avançar e apresentar resultados aos povos Angolano e Americano. Temos um lema simples para lembrar o nosso objetivo: Uma Equipa, Uma Missão.

A nossa missão em Angola é construir pontes que conduzam à prosperidade comum, e isso não seria possível sem que as empresas americanas e outras organizações fizessem a sua parte. Obrigado pelo seu trabalho árduo, pelos seus esforços para difundir a maneira americana de fazer negócios e os valores fundamentais americanos a nível global, e particularmente em Angola.

As empresas americanas estão a melhorar enormemente a vida dos Angolanos. Mais de 70 empresas dos EUA estão a realizar projectos importantes, incluindo 900 milhões de dólares em financiamento para o maior programa de desenvolvimento de energia solar da África Subsariana, um investimento directo de 250 milhões de dólares para permitir a transformação do Corredor do Lobito e construir 186 pontes em todas as 18 províncias de Angola. Estamos a construir serviços de telecomunicações móveis fiáveis, a modernizar o sistema nacional de radiodifusão, a fornecer soluções de baixo custo de água potável, a melhorar a segurança da aviação e muito mais.

Como vimos nos últimos anos, a saúde, a segurança e a economia são interdependentes. Os Estados Unidos orgulham-se de ser o maior contribuinte bilateral para o sistema de saúde em Angola. Programas como a Iniciativa do Presidente dos EUA contra a Malária (PMI) e o Plano de Emergência do Presidente dos EUA para o Alívio da SIDA (PEPFAR) têm salvo vidas em todo Angola.

Da mesma forma, a boa governação é fundamental para uma sociedade democrática. Para esse efeito, os Estados Unidos apoiam os esforços do governo angolano e da sociedade civil para erradicar a corrupção e aumentar a transparência. Mais uma vez, permitam-me que diga: uma comunicação social livre e independente é fundamental para uma sociedade democrática e promove um ambiente de negócios forte, mais investimento estrangeiro e o aumento de empregos para o povo Angolano. Continuaremos a trabalhar com Angola nesse sentido.

Hoje, ao olharmos para o potencial dos próximos 30 anos, o futuro apresenta-se brilhante. Todos vocês – como estudantes, como futuros líderes têm um papel extremamente importante a desempenhar na construção deste futuro e no fortalecimento das pontes entre os nossos países.

Continuamos a enfrentar desafios para assegurar que o mundo em que vivemos abre espaço para que todos sejam mais diversificados e inclusivos. À medida que avançamos, é importante compartilhar as nossas experiências, os nossos desafios e as lições que aprendemos. É assim que construímos pontes de compreensão, parceria e crescimento de sociedades mais inclusivas. A inclusão estimula a inovação.

Os princípios da diversidade, equidade, acessibilidade e inclusão são pilares para uma economia próspera. Na nossa Embaixada, incentivamos este espírito de inovação através dos nossos diversos programas de intercâmbio. Por exemplo, este ano, enviámos treze treinadores e atletas Angolanos aos Estados Unidos para trocar ideias sobre a construção de programas desportivos inclusivos. O desporto é uma forma de superar sensibilidades e transcender diferenças linguísticas e sócio-culturais e pode ser uma fonte sustentável de renda quando somado a iniciativas empresariais.

Também promovemos a inclusão, trabalhando com programas locais de empreendedorismo, como o programa “Quem Quer Ser Empreendedor”. Este programa foi implementado com sucesso duas vezes pelo nosso parceiro Acelera Angola, que está hoje aqui para apoiar a Semana Global do Empreendedorismo. Fico feliz em saber que eles conduzirão hoje uma sessão sobre educação universitária e aprimoramento da cultura de criação de empresas.

No ano passado, oferecemos um programa de acesso à liderança de empoderamento para jovens mulheres, com o objectivo da inclusão. O programa proporcionou uma formação de seis meses em empreendedorismo para mulheres universitárias oriundas de meios desfavorecidos.

Nos Estados Unidos, o empreendedorismo impulsiona a prosperidade. E os empreendedores desempenham um papel fundamental na procura de soluções, na promoção da inovação, na criação de empregos e na geração de prosperidade através do desenvolvimento económico e social.

Algumas das melhores lições de empreendedorismo são ensinadas nas universidades americanas. Estas universidades ajudam os estudantes a desenvolver as competências necessárias para desenvolver a sua visão empreendedora.

Por esse motivo, tenho o prazer de apresentar aos senhores as universidades americanas que estão presentes aqui hoje. Convido a todos a visitarem as mesas universitárias para conhecerem as vantagens de optarem pelo ensino superior na América.

Através dos nossos programas de intercâmbio, programas de palestrantes e de relações com parceiros Angolanos, estamos a construir uma base sólida para produzir resultados positivos para ambos os nossos povos.

Concluindo, quero agradecer à Academia BAI por albergar a nossa “U.S. Fair” (Feira dos EUA) hoje. Aos representantes do governo Angolano, estou grato pelo aprofundamento do nosso relacionamento. Aos expositores e representantes empresariais, obrigado pelo apoio e parceria. Aos muitos voluntários que tornaram este evento possível, obrigado pela sua disponibilidade em servir. E claro, aos alunos, pais e professores; obrigado por considerar os Estados Unidos para seus estudos futuros.

Ao longo dos últimos trinta anos, o investimento americano em Angola tem sido e continua a ser, acima de tudo, para o povo e com o povo construir um relacionamento justo baseado na equidade e na parceria.

Hoje, reitero o compromisso dos EUA em ajudar a construir a ponte para um futuro melhor para ambos os nossos povos. Um futuro justo e próspero para Angolanos e Americanos!

Desejo a todos um óptimo evento! Muito obrigado!